BackgroundDN
BackgroundDN
BackgroundDN
BackgroundDN
Desafio 2012
DNEscolas Apresenta-se

Regulamento
O Meu DN
Links

SEM FONTES NÃO EXISITIRIAM JORNAIS

Não existiriam jornais sem fontes de informação.
São as fontes que dão aos jornalistas a informação em bruto que, depois de investigada, confrontada e trabalhada, permitirá construir as notícias.
Existem vários tipos de fontes: humanas ou documentais, internas ou externas ao jornal, oficiais, informais, humanas ou documentais. não está repetido?

“Para fabricar notícias, os jornais usam as informações em bruto que lhes chegam através de cartas e telefonemas dos leitores; de e-mails; da consulta a outros órgãos de comunicação social; das conferências de imprensa; dos contactos pessoais com fontes de informação; da ronda telefónica que alguns órgãos informativos fazem pela polícia, bombeiros, hospitais e outras entidades; dos comunicados à imprensa enviados por diversas entidades; das pesquisas pessoais dos jornalistas na Internet, etc."
Jorge Pedro Sousa,

Elementos do Jornalismo Impresso, bocc.ubi.pt

DIREITOS E DEVERES

Entre outros direitos, a Lei de Imprensa, garante aos jornalistas “a liberdade de acesso às fontes de informação, incluindo o direito de acesso a locais públicos e respectiva protecção”. No entanto, se ter acesso às fontes é um direito, os jornalistas também têm deveres neste domínio, nomeadamente o dever de fazer uma boa selecção entre toda a informação que chega ao jornal (distinguindo a informação que merece ser notícia da restante) e, obviamente, seleccionar as melhores fontes para construir as notícias e verificar as informações a que têm acesso.

COMO ESCOLHER E TRATAR AS FONTES?

As fontes devem ser escolhidas pela sua qualificação para prestar informações sobre um determinado assunto. As informações fornecidas não devem em caso algum ser adulteradas pelos jornalistas, mas devem sempre ser verificadas.
Quando estão em causa situações que envolvem diferentes interesses, as fontes devem ser sempre confrontadas (mesmo que tal implique publicar que a “entidade X se recusou a prestar declarações”).
Por princípio, mesmo na mais “banal” das situações, o jornalista deve tentar sempre ouvir várias versões de um mesmo acontecimento, para que tenha uma visão mais clara sobre o que aconteceu.

 

CONCEITOS-CHAVE

Fontes de Informação

Designam qualquer entidade, pessoa ou situação que pode deter dados que possam gerar uma notícia. Alguns exemplos: cartas e telefonemas de leitores, informação fornecida em conferências de imprensa, pesquisas na Internet, contactos pessoais com fontes de informação, etc.

Tipos de fontes

As fontes podem ser internas ou externas (de acordo com a relação que mantêm com o jornal), oficiais estatais, oficiais não estatais ou informais (de acordo com o seu estatuto) ou humanas ou documentais (de acordo com as suas características).
Exemplos:
Fontes internas: jornalistas do jornal, os seus correspondentes, o arquivo do jornal.
Fontes externas: agências de comunicação, outros media etc.
Fontes oficiais estatais: Assembleia da República, ministérios, câmaras municipais etc.
Fontes oficiais não estatais: partidos, sindicatos, associações etc.
Fontes informais: a testemunha de um crime.
Fontes documentais: relatórios, estudos etc.
Fontes humanas: profissionais de relações públicas, contactos do próprio jornalista etc.

Off the record

Situação em que a fonte não pode ser identificada e as informações que forneceu não podem ser usadas. O off the record serve, por exemplo, para o jornalista poder confirmar a notícia através de outras fontes. Deve ser respeitado, sem excepções.

Embargo

Por vezes, perante acontecimentos que ainda não ocorreram, as agências ou outras fontes enviam para as redacções certas informações com a nota “embargo até x horas”. Tal significa que o texto ou informação não pode ser utilizado até que a fonte que o emitiu levante o embargo (normalmente depois do acontecimento ocorrer).

SABER MAIS

Livros

Jornalistas e Fontes de Informação
A sua relação na perspectiva da sociologia do jornalismo de Rogério Santos, Edições Minerva

Dicionário de Ciências da Comunicação, da Porto Editora
O "Dicionário de Ciências da Comunicação" engloba, entre outros aspectos, a terminologia das teorias da informação e comunicação, bem como as novas tecnologias e os aspectos jurídicos da comunicação.

Online

Elementos de Jornalismo Impresso, de Jorge Pedro Sousa, 2001, BOCC (Biblioteca Online de Ciências da Comunicação da Universidade da Beira Interior):
bocc.ubi.pt
(Ver capítulo sobre Fontes de Informação)